Consulte o acervo da Revista Pellegrino utilizando a busca.

Peixada

Peixada

26/04/2016
Maria do Carmo (5a a partir da esq.), seu esposo Moacir (4o), e o sócio Nilton (6o), da Nilmaq


Instalada aos pés do rio São Francisco, a Nilmaq comemora o crescimento dos últimos anos à base de surubim, um tradicional peixe da região


Por Rosiane Moro

Unaí, em Minas Gerais, desfruta de uma posição geográfica privilegiada. Banhado pelas águas do rio Preto, afluente do São Francisco, o município faz fronteira com Cristalina, em Goiás, e está a apenas 170 km de Brasília, situação que amplia as possibilidades de negócios em cada Estado. A região, conhecida por ser um cinturão agrícola, com produção de grãos, como feijão, milho e soja, também possui grandes fazendas de gado de corte e leiteiro.

A condição econômica, exclusivamente focada em propriedades rurais, fez com que os sócios da Nilmaq, Maria do Carmo Alves de Paula Custódio e Nilton Aparecido Serafim dos Santos, apostassem suas fichas no comércio de peças de reposição para máquinas agrícolas há exatos seis anos.

 

Atendimetno caloroso

Como todo novo empreendimento, a Nilmaq começou bem pequena, em uma loja de apenas 60 m2. A experiência anterior dos empresários como funcionários no varejo de autopeças foi fundamental para o negócio decolar, e apenas um ano depois já ocupam uma espaço com o triplo do tamanho. O atendimento caloroso, o estoque variado, o serviço de entrega rápida mais a parceria com um mecânico para pronto atendimento fez a fama da empresa se espalhar. O sucesso puxou novos investimentos e, em 2014, foi inaugurada a sede própria.

“Como no nosso ramo a mercadoria é igual, o que nos diferencia é mesmo o atendimento. Eu gosto muito do contato próximo com o público e isso faz a empresa ter um perfil mais amigável e colaborativo”, conta Maria do Carmo.

Hoje, os sócios comemoram o fato de a Nilmaq ser considerada competente e inovadora, com os olhos no futuro. No momento, os planos de crescimento não foram abandonados, mas segundo a proprietária é época para reflexão. “Crescemos bastante e tenho confiança de que os negócios irão prosperar ainda mais, porém enquanto não solucionar a situação do país não dá para se aventurar em novas investidas”, diz. Para que o compasso de espera seja mais palatável, ela sugere aos colegas aguardar os bons ventos de mudança com uma boa peixada, feita com o carnudo surubim, um tradicional pescado da região.

Ingredientes

» 2 kg de surubim

» 6 tomates maduros

» 2 cebolas grandes

» 1 pimentão

» pimenta de cheiro

» sal a gosto

» 2 dentes de alho

» 1 leite de coco

» 1 colher pequena de açafrão

» cheiro verde

 

Preparo

Leve ao fogo a cebola picadinha, o alho, o açafrão e a pimenta de cheiro e deixe fritar. Acrescente o tomate picado, o pimentão e o sal e cozinhe por 20 minutos. Em seguida, coloque o peixe sem mexer, adicionando um pouco de água bem quente.

Quando estiver cozido, regue com leite de coco e decore com o cheiro verde. Bom apetite.